Bloco Esfarrapado – O bloco mais antigo de São Paulo

A memória viva da história do carnaval

Já são 71 anos de folia: apesar de não aparecer na programação dos blocos de rua dos totens espalhados pela cidade, o desfile do Bloco Esfarrapado está confirmado. Desde 1947 o bloco mais antigo de São Paulo desfila toda segunda-feira de carnaval pelas ruas do Bixiga. A saída do bloco acontecerá no dia 12 de fevereiro a partir do meio dia no cruzamento das ruas Conselheiro Carrão e 13 de Maio.

O grande destaque do Carnaval no Brasil este ano será a cidade de São Paulo. Com novo enredo, a capital paulista deverá tirar nota 10 em evolução e promete fazer o segundo maior carnaval do país já em 2018. Serão 491 blocos de carnaval de rua, enquanto que a capital carioca tem 473.

Carnaval é tradição… e a velha guarda merece respeito! Se você se deparar com um dos muitos totens que a Prefeitura de São Paulo distribuiu pela cidade com a programação dos blocos de rua, não vai encontrar na lista o nome do bloco mais antigo da cidade: Bloco Esfarrapado.

O Bixiga luta diariamente por sua sobrevivência cultural. Nossa história é viva e merece respeito.

Na sexta-feira pré-carnaval, dia 02/02, o bairro foi surpreendido com uma série de banheiros químicos colocados na Escadaria do Bixiga, que é um de nossos cartões postais. Graças a um apelo do senhor Walter Taverna, presidente da Sodepro e também uma espécie de presidente de honra do bairro, o vereador Gilberto Natalini solicitou a retirada desses equipamentos da região que é um patrimônio cultural da comunidade.

E como entender que o nome do Bloco Esfarrapado ficou de fora de toda a divulgação feita dos blocos de rua do Carnaval de São Paulo?

Se eles não divulgam, nós divulgamos, porque o Bloco Esfarrapado é patrimônio do Bixiga e você precisa conhecer essa história.

O Bloco Esfarrapado é o bloco de carnaval mais antigo de São Paulo. Foi fundado em 1947 por Armadinho Puglisi e mais um grupo de notáveis do Bixiga. Entre os fundadores estão Tinin (83 anos), atual presidente de honra do bloco, e Walter Taverna (84 anos), que entre outros tantos feitos é um dos responsáveis pelo tombamento do bairro e pela luta por sua preservação.

Tinin (a direita) e Walter Taverna (esquerda) são fundadores do bloco

E ao sentar numa mesa de bar e tomar mais um gole de sua cerveja, Tinin nos conta como o bloco surgiu, pois ele estava lá. “Era segunda-feira de Carnaval, 1947, umas 11 da manhã. A gente tava tudo sentado na porta do Cine Rex, sem fazer nada. Ai o Armandinho falou pra gente “vamos fazer um bloco carnavalesco?”. E a gente topou. Então foi todo mundo pra casa arrumar uma fantasia improvisada. Alguns se vestiram de mulher, outros com a roupa do avesso, roupa rasgada. E como a gente não tinha instrumento, a gente saiu batendo lata, pinico, frigideira. Até que alguém falou “ceis tão parecendo um bando de esfarrapado”. E o nome do bloco surgiu: Bloco Esfarrapado”

Armandinho Puglisi (centro) vestido de mulher para o primeiro desfile do Bloco Esfarrapado em 1947

Nota: Cine Rex ficava no cruzamento de ruas mais famoso da Bela Vista naquela época, Rua Rui Barbosa com Conselheiro Carrão, num imóvel que hoje está fechado e que teve como última atividade o Teatro Zaccaro.

O Bloco Esfarrapado surgiu num grande momento, porque durante os anos da Segunda Guerra Mundial, o Bixiga tinha perdido muito de sua alegria. O bairro era considerado um pedaço da Itália no Brasil, país inimigos dos aliados. Houve muita perseguição por parte do governo Getúlio Vargas. Muitos foram presos somente por falaram em italiano. Até mesmo a quermesse de Nossa Senhora Achiropita chegou a ser interrompida neste período. E o Esfarrapado devolveu essa alegria contida dentro das pessoas.

O bloco então não parava de crescer, tanto que poucos anos depois da sua fundação, eles largaram as latas porque a bateria da Vai-Vai se juntou a eles. Era uma festa só. Tinha desfile da Vai-Vai no fim de semana e na segunda-feira de carvanal sempre tinha Esfarrapado. Isso até o bloco crescer ainda mais e precisar de um trio elétrico para que todos os participantes escutassem o som das marchinhas.

Alegria, liberdade e crítica. Até 1964 o Bloco Esfarrapado falou o que quis e fez muitas críticas políticas. Quando Juscelino estava querendo construir Brasília, ninguém acreditava. Armandinho fez um carro alegórico para o desfile do bloco coberto de mato, de bananeiras e escrito: Brasília. Para completar a alegoria, ele caracterizou o Waldemar Fuzzinato, conhecido como Capuno, de Juscelino e ainda colocou uma faixa presidencial. O Dops pediu para Armandinho tirar a faixa do Capuno, Armandinho se recusou e acabou sendo preso. Só que a comunidade toda ficou em volta do camburão e ele acabou sendo solto.

Por causa do Bloco Esfarrapado, que crescia a cada ano, Armandinho Puglisi conheceu muitas autoridades, políticos e tornou-se um dos maiores promotores do Bixiga. Armandinho faleceu em dezembro de 1994 e sua memória permanece viva até hoje. Após sua morte, Tinin assume a presidência do Bloco Esfarrapado por 13 anos (1995 a 2007). Hoje Tinin é presidente de honra, com Mauricinho na presidência e Jaime vice.

Atual diretoria (da direita para a esquerda): Maurizio Bianchi (presidente), Jaime Souza (vice-presidente) e Carlos Daniel Gonçalves (tesoureiro)

Desde 1900 e não sabemos quando, o Bloco Esfarrado, todos os anos, tem a visita de uma participante fiel, a Nega Maluca. Sua identidade é completamente desconhecida, então a conclusão é de que não se trata de alguém do Bixiga. Tinin diz conhecer a identidade da Nega Maluca, mas jurou jamais revelar. E nós imploramos: Nega Maluca, diga quem você é!

O percurso do Bloco Esfarrapado é praticamente o mesmo há 70 anos. Este ano uma pequena alteração teve que ser feita. O bloco não vai passar pela rua Almirante Marques de Leão por conta do muro de arrimo que desabou em maio de 2017 e até hoje não foi arrumado. Engenheiros avaliaram a situação do muro e afirmam o risco de novos deslizamentos.

O Esfarrapado é hoje um dos mais queridos e também um dos blocos mais divertidos e atrativos da cidade. Ano passado foram 70 mil pessoas curtindo nas ruas do Bixiga. “E para 2018 vamos vir com 2 trios elétricos, 1 bonde e 1 mini Trio. Às 10h00 começa o esquenta com a Banda da Alegria e por volta das 13h30 tem a saída do nosso cortejo com a banda Samuca e a Selva, que modificou seu repertório para atender as tradições do Bloco Esfarrapado” diz Jaime Souza, vice-presidente do Bloco Esfarrapado.

Participar do Bloco Esfarrapado é também fazer uma visita pela história do Bixiga. O percurso passa pela região do Saracura, pela Vai-Vai, por diversos teatros, bares e cantinas, passa em frente à igreja de Nossa Senhora Achiropita e conta até hoje com a participação de personagens dessa história linda e viva que o Bixiga tem e que tanto luta para preservar.

Fotos crédito: Centro de Memória do Bixiga e Bloco Esfarrapado.